Uma nova classificação de estilos de cerveja

Uma das maiores discussões do mundo cervejeiro diz respeito aos estilos de cerveja. Uns dizem que as classificações são indispensáveis e devem ser respeitadas. Já outros acham que elas restringem a criatividade e a inovação dos cervejeiros. Uns defendem uma lista. Outros, defendem outra…

Enfim, a polêmica é grande. A verdade é que nenhuma das classificações existentes é 100% correta, seja por omissão de alguns estilos menos conhecidos, seja por estarem desatualizadas em relação às inovações que acontecem o tempo todo. É claro que essas listas são importantes em alguns aspectos, como por exemplo, nos concursos de cerveja, pois servem de parâmetro para o julgamento. No entanto, mesmo servindo de referencial, algumas vezes elas confundem o consumidor, principalmente quando mal usadas pelas cervejarias nos rótulos dos seus produtos.

Pensando nisso, o pessoal do Aleheads – um dos melhores blogs sobre cerveja que existem, na minha opinião – criou, sem muito alarde nem pretensão, um sistema novo de classificação de cervejas. Inspirado na ideia do Sabermetrics e na inovação que o novo método trouxe para o beisebol americano (sobre isso, recomendo ver o filme Moneyball, que não explica muito sobre o sistema, mas como filme é bem legal :D), o blog americano tenta pensar “outside the box” e sugere um novo método para nomear os estilos de cerveja.

Sinceramente, eu achei bem interessante e simples de ser implantado, possibilitando infinitas variações, o que é útil quando nos deparamos com estilos de cervejas não-classificados. Também achei bastante informativo e intuitivo, servindo muito bem para informar os iniciantes sobre o que esperar de uma determinada cerveja.

O sistema do Aleheads consiste em avaliar uma cerveja, inicialmente, pelo seu tipo de fermentação, o básico ale ou lager. Posteriormente, seria analisada a cor, levando em consideração a escala Lovibond, separando as cervejas por 7 cores:

  • Pale
  • Golden
  • Amber
  • Red
  • Brown
  • Dark
  • Black

Além disso, seriam usados outros 4 modificadores:

  • Grain (referente ao cereal usado na fabricação)
  • Taste (referente ao gosto dominante da cerveja)
  • Strenght (referente à potência alcólica)
  • Country (referente ao país ou escola predominante)

As regras detalhadas do uso você pode ver no post original do Aleheads, mas podemos fazer um exercício criando exemplos de algumas cervejas brasileiras reclassificadas por este método:

  • Colorado Indica: Bitter Strong Amber Ale
  • Bierland Vienna: Bitter Red Lager
  • Bamberg Rauchbier: Smoked Brown Lager
  • Eisenbahn Strong Golden Ale: Belgian Strong Golden Ale
  • DUM Petroleum: Sweet Extra Strong Black Ale
  • Falke Vivre Pour Vivre: Fruit Red Ale
  • Abadessa Export: German Amber Lager

Enfim, como qualquer classificação, está sujeita a falhas e críticas. Eu questionaria o modificador de país, por exemplo, e também acho problemático a omissão histórica de alguns estilos. De qualquer forma, acredito que é uma forma interessante de classificar as cervejas e informar na própria classificação as características predominantes da cerveja.

Relembrando que nem eu nem o Aleheads pretendemos mudar os parâmetros de classificação das cervejas. Por mais que as classificações e os estilos não sejam definitivos em nenhuma das listas, o conhecimento de todas elas são importantíssimos a fim de conhecimento. Por isso, coloco como apêndice do post links para algumas das listas mais conhecidas. Deixo também os comentários abertos para críticas e sugestões, pessoal!

Apêndice: Listas de estilos mais conhecidas.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...Scridb filter 468 ad